Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Voz da História e da Geografia

Blogue de apoio aos alunos na aprendizagem das disciplinas de História e da Geografia.

Blogue de apoio aos alunos na aprendizagem das disciplinas de História e da Geografia.

Independência do Brasil

No dia 7 de setembro de 1822, D. Pedro (futuro D. Pedro IV) proclamou a separação do Brasil face a Portugal, no histórico episódio chamado Grito do Ipiranga - "Independência ou Morte!", sendo aclamado imperador em outubro e solenemente coroado em dezembro do mesmo ano.

Ficheiro:Independencia brasil 001.jpg

Independência do Brasil - François-René Moreau
D. Pedro I do Brasil, IV de Portugal  c. 1830, de Simplício Rodrigues de Sá.
Via Estórias da História

Declaração de guerra da Alemanha a Portugal

Em fevereiro de 1916, um decreto do governo português autorizava a requisição dos navios mercantes alemães fundeados no Tejo, o que levou o kaizer Guilherme II a instruir Von Rosen a apresentar a nota de Declaração de Guerra ao Governo Português, em 9 de março de 1916, formalizando um conflito que Portugueses e Alemães vinham travando no sul de Angola e norte de Moçambique desde 1914. Iniciava-se assim, a participação formal de Portugal na Primeira Guerra Mundial.

«Senhor Ministro. Estou encarregado pelo meu alto Governo de fazer a V. Ex.a a declaração seguinte:
O Governo português apoiou, desde o começo da guerra, os inimigos do império Alemão por actos contrários à neu­tralidade. Em quatro casos foi permitida a passagem de tropas inglesas por Moçambique. Foi proibido abastecer de carvão os navios alemães. Aos navios de guerra ingleses foi permitida uma larga permanência em portos portugueses, contrária à neutralidade, bem como ainda foi consentido que a Inglaterra utilizasse a Madeira como base naval. Canhões e material de guerra de diferentes espécies foram vendidos às Potências da Entente, e, além disso, á Inglaterra um destruidor de torpedeiros. O arquivo do vice-consulado imperial em Moçâmedes foi apreendido.
Além disso, foram enviadas expedições à África, e foi dito então abertamente que estas eram dirigidas contra a Alemanha.

Tradução do texto alemão entregue por Friedrich Von Rosen a Augusto Soares, Ministro Português dos Negócios Estrangeiros

Memorial Virtual

Projeto inédito do Arquivo Histórico Militar (AHM), que disponibiliza online toda a informação sobre os combatentes portugueses que perderam a vida no teatro de operações na Europa e em África.
Chama-se Memorial Virtual, está acessível ao público desde 8 de abril e revela a história dos homens que Portugal mobilizou para a I Guerra: 56 mil para França, 30 mil para Moçambique e mais de 18 mil para Angola."

“É uma forma de homenagear os que morreram sacrificando-se pelo país”, explicou ao SOL o director do AHP, Coronel Carvalho Pires, adiantando que este Memorial vem ainda responder a um apelo que a instituição registava nos últimos tempos: “Recebíamos diariamente pedidos de autarquias, escolas e famílias que queriam saber informações sobre os portugueses mortos na Guerra”.

Via Sol

Portugal e a Grande Guerra

Até 31 de julho de 2014, na BNP.

A exposição Portugal e a Grande Guerra pretende assinalar a passagem do primeiro centenário do início do conflito mundial. É uma mostra desenvolvida por uma equipa de investigação do Instituto de História Contemporânea (IHC-FCSH-UNL), com o apoio da Biblioteca Nacional de Portugal.

Núcleos temáticos:Portugal e a Guerra; Guerra e Paz: Diplomacia e Relações Externas; Guerra em África; Guerra na Europa – Flandres; Nas trincheiras; Frente interna; Crise/Questão social; Medicina; Arte e Letras; e Memória, que cruzam bibliografia, documentação e iconografia.

3.ª invação francesa

A Terceira Invasão Francesa teve início em Julho de 1810 e terminou em Abril de 1811 com a retirada das forças francesas para Ciudad Rodrigo. O exército invasor era o maior dos que já tinham invadido Portugal, em 1807 sob o comando de Junot e 1809 sob o comando de Soult. O comandante deste exército, o marechal Massena, era um dos mais conceituados marechais de França. Para a sua derrota contribuiu não só a qualidade do exército anglo-luso, sob comando de Wellington, mas também a estratégia utilizada por este general e desenvolvida com base nas Linhas de Torres Vedras.

Ver artigo da Wikipedia

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Estamos de volta!

O blogue A Voz da História e da Geografia está de volta para lançar desafios aos alunos e proporcionar-lhes novas experiências de aprendizagem e conhecimento. Bem-vindos!

Links

Apresentação

Páginas do Agrupamento

Destaque:100 anos 1.ª Guerra Mundial

Atividades do DCSH

40Anos25Abril

Programas e Planificações

Atlas, Mapas e Dicionários

Jogos de Geografia

Jogos de HGP

Testes, Atividades e Jogos - História 7.º ano

Testes, Atividades e Jogos - História 8.º ano

Testes, Atividades e Jogos - História 9.º ano

Power points de História e HGP

Power points de Geografia

Canções com História

Filmes com História

Documentários

Blogues e websites de História

Museus Nacionais

Blogues e websites de Geografia

Educação, património e sustentabilidade

Museus internacionais

Museus e visitas virtuais

Centros de documentação, arquivos e bibliotecas

Apoio ao estudo

Notícias

Editoras

Motores de busca

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D